diarinho

Sobre escrever

Escrever é um processo estranho. Tentamos fazer com que os pensamentos que estão morando nas nossas cabeças se transformem em algo mais palpável, mas ao mesmo tempo nós só queremos que esses pensamentos deixem de nos atormentar. É por isso que é tão legal escrever quando estamos nos sentindo mal, ou quando simplesmente não entendemos os nossos sentimentos.

Esse post tá saindo porque abri um documento em branco e comecei a digitar. Primeiro vem um monte de pensamento ruim dizendo que eu não sei o que estou fazendo, que não sei do que falar nem do que tento falar, e aí, eventualmente, vai surgindo alguma explicação sobre o que está acontecendo comigo ou no que estou realmente pensando ou tentando dizer.

Uma das principais formas que a ansiedade se manifesta em mim é uma grande sensação de não saber o que estou sentindo. E entendo que isso pode não fazer sentido pra muitas pessoas, mas é a única forma que consigo colocar em palavras. Já ouvi muitas pessoas explicarem que sentem como se uma grande nuvem carregada estivesse presente, os seguindo como nos filmes, e que eles sentem como se algo ruim estivesse prestes a acontecer: uma tempestade sem igual que começa com um trovão.

Mas pra mim é essa coisa de não saber o que está acontecendo. E é enlouquecedor. Se me sinto mal e sofro por não ter certeza em qual sala a próxima aula vai ser, mesmo conhecendo o prédio perfeitamente e estando cercada de pessoas que sei o nome e que podem me informar, imagina como eu fico como simplesmente não consigo ter certeza de nada?

Aí eu tento escrever. Às vezes sai uns parágrafos mal rabiscados falando que eu queria ter um lugar fora de casa pra fazer coisas criativas, mas que até sentar na mesa da biblioteca custa dinheiro, porque tá calor e eu precisaria pegar o ônibus e não posso gastar dinheiro sem necessidade. Outras vezes eu descubro que to com muita raiva da roupa que estou usando, ou que precisava ter fechado a cortina do quarto pros insetos não entrarem perseguindo a luz do computador que esqueci de desligar.

A ideia é só parar alguns minutos e escrever. Pode ser no computador, no celular, num caderno todo especial ou nas costas daquela propaganda do supermercado que deixam debaixo do portão. Só escrever. E se não souber o que escrever, vá despejando palavras que vem à sua cabeça até sair alguma coisa. Não é pra tentar escrever um livro ganhador de vários prêmios aqui, só entender um pouquinho melhor o que está acontecendo naquele momento em particular. Você pode guardar esses escritos, apagar, compartilhar com o mundo todo… Não importa! O importante é o ato de escrever.

Então, da próxima ver que estiver se sentindo mal se entender os motivos, ou se perceber um ataque de ansiedade chegando, ache a primeira página vazia perto de você e só escreva.

Deixe uma resposta