diarinho

Menina gorda do cabelo curto

Há alguns anos atrás eu cortei meu cabelo mais curto porque descolori mais do que devia e simplesmente era mais simples cortar do que tentar recuperar o problema. Já tinha pelo menos 6 anos antes disso desde que meu cabelo não encostava em meus ombros o tempo todo. Foi um choque. Minha mãe chorou quando eu disse que iria cortar o cabelo, minhas irmãs ficaram chateadas, eu tentava pesquisar inspirações que cortassem o mínimo do cabelo possível… Até que chegou a segunda-feira que eu iria pra cabeleireira e a “ficha” finalmente “caiu”: Tinha uma época que eu cortava o cabelo todo mês, de onde tinha saído essa quantidade de medo?

Cabelo cresce, o meu então, cresce feito grama super bem cuidada em época de chuva! Não tenho do que reclamar. Mas alguma coisa em algum lugar dizia baixinho na minha cabeça: “Você não pode ter cabelo curto”. Essa alguma coisa eram as vozes dos programas de TV que fazem piada das meninas gordas, das revistas que mostram mulheres gordas como infelizes até uma mágica transformação aconteça com ela, das músicas que só valorizam as gordas enquanto objeto sexual. Eram as vozes das minhas amigas que diziam que cabelo curto era coisa de homem, das propagandas com mulheres de cabelos impossíveis, dos comentaristas que criticavam as atrizes que decidem cortar os cabelos.

Fui preparada: batom vermelho, delineador nos olhos e uma das minhas roupas favoritas. Não podia aceitar que essas vozes ganhassem. Enquanto conversava com a cabeleireira lembrei o quanto me sentia feliz ao mudar o cabelo, o quanto ele já tinha sido mais curto em outras épocas e o quanto eu poderia experimentar novas coisas. Ao ver aquele cabelo, já mortinho e cansado de me acompanhar, ir embora eu via tudo o que ficava: meu sorriso, meu olhar encantado com a menina que via no espelho, e o meu rosto brilhando, mais poderoso do que nunca.

Eis que mês passado, após um ano deixando o cabelo crescer novamente, comecei a contemplar a ideia de voltar a ser alguém com o cabelo curto. Como qualquer pessoa ainda tentando se decidir sobre as coisas, questionei familiares e amigos pra levantar uma opinião geral do “público”. Foi estranho perceber que a resistência ainda estava lá. Todas aquelas pessoas que me elogiavam diariamente com o cabelo curto ainda tinham medo do que as tesouradas pareciam representar. E então mais um comentário: “Não acho que valoriza o seu rosto”. Me mantive calada, ouvi o que cada um tinha a dizer e levei de volta essas vozes comigo.

Não queria ter me calado, mas no momento não consegui responder, mesmo que eu soubesse exatamente o que dizer. Aquela voz que diz que o cabelo curto não “valoriza” meu rosto é a mesma que eu já ouvi na TV, nas revistas, na internet… É a mesma que todo mundo ouve, internaliza e não questiona. O cabelo curto não é “permitido” pra mulher gorda porque ele evidencia a realidade: sou gorda e estou bem com isso. E que indústria vai ganhar dinheiro com pessoas felizes? Mulheres gordas então? Impossível!

Escrevo não para condenar àquelas que disseram e dizem isso para as outras pessoas, escrevo para ser uma voz diferente falando pras meninas gordas, e pras magras também, que tem vontade de cortar o cabelo ou fazer qualquer coisa sobre sua aparência que talvez não seja exatamente tradicional. Eu digo: faça. Corte, pinte, mude, trance… Faça o que sentir vontade. Porque não interessa o quanto o resto da sociedade não concorde com o que você tem vontade de fazer, aquele olhar de felicidade ao se descobrir novamente olhando no espelho e se apaixonando por você… Dele ninguém pode discordar.

E não se preocupe com o olhar das pessoas no ônibus ou das senhoras do seu bairro – que eu prometo, vão acabar amando seu cabelo também – mas se concentre na menina gorda que anda de patins todo entardecer, na menina negra com as trancinhas coloridas, no menino que brinca de boneca com as vizinhas… Eles estão te olhando e entendendo que eles também podem ser o que bem entenderem quando crescer, pra eles você é uma heroína, e pro resto do mundo, não tem nada de errado em ser a menina gorda de cabelo curto.

3 Comments

  1. Não tem nada errado mesmo, muito pelo contrário. Acho que você deve cortar o cabelo como quiser e se você estiver bem consigo mesma, isso vai transparecer para as pessoas à sua volta. Eu particularmente amo cabelo curto, acho que fica super bem.
    Beijos
    Mari
    http://www.pequenosretalhos.com

  2. Que coisa mais linda teu depoimento. O meu cabelo sempre foi o meio que usei para dizer coisas para o mundo. Era pra mostrar minha rebeldia, minha não vontade de me enquadrar nesse mundo quadrado. Mas eu nunca tinha parado pra pensar no quanto isso poderia ser uma coisa bacana para outros que sentiam como eu ter mais confiança em ser quem são. Amei mesmo! <3

  3. Incrível como o cabelo é uma muleta emocional pras mulheres, até as mais inpensáveis! Mas cabelo cresce e pra você usar um corte basta ter cabelo, não tem que se preocupar com oo que os outros pensam. Porque é só isso, uma opinião alheia sobre algo que nem diz respeito a ela, que não muda a vida de ninguém.

Deixe uma resposta